Dera Sol

Para preencher esse vazio desses dias em que estava muito ocupado, nada é melhor do que voltar com uma música calma, amorosa e com muito significado para conquistar os seguidores que estavam sentindo falta da boa música aqui no blog.

Hoje vamos ficar com a versão acústica de Let my Love Open the Door, do cantor Sondre Leche. Essa versão consta apenas de um violão e uma pequena orquestra de violinos atrás, levando ao delírio os ouvintes e claro nos remetendo a uma paz que apenas a ingenuidade pode nos levar.

A versão original dessa música é do artista Pete Townshend´s, onde fez muito sucesso através da banda The Who, ele era o principal compositor da banda e claro, além de conter habilidades raras como cantar, escritor, guitarrista, pianista, “banjista”, baixista e por aí vai.

Já nosso querido Sondre Leche é apenas um norueguês que tenta seu lugar ao sol. Apesar das diferenças o que importa é a sonoridade dessa bela canção. Fiquem em paz!

É hora de lembrar de uma das melhores formações que o mundo do metal já teve. O primeiro Angra!

Uma gangue que vai ser lembrada para o resta da humanidade, é um exemplo da famosa frase “tudo aquilo que é bom não dura muito”, enfim restam musicas como a que mostro hoje.

A canção The Shaman do álbum Holy Land é perfeita! Tem todo o swing brasileiro apresentado nas percussões Bahianas e indígenas da nossa terra, além de conter antes do solo principal um grande pajê relatando alguma experiência de sua tribo. Solo perfeito, efeitos sonoros e a voz de André Matos detonando!

Eu adoro esse álbum e depois do cru e pesado Fireworks é o melhor da banda. Angels Cry pra mim é mais um álbum de metal melódico, muito bom, porém não me chama atenção como esses dois descritos.

Fiquem com esse clássico lado b e um bom final de semana para todos!

"Metal universitário?" Pois é, o novo baterista do Avenged Sevenfold é o antigo baterista da banda Confide.

Acho muito engraçado esse termo musical: universitário. Sei lá, por ser universitário não passa credibilidade? É algo que não é maduro? Ou porque atinge um público realmente mais adolescente em geral?

Sendo uma dessas opções a certa, acredito que o Avenged Sevenfold seja uma banda boa, eles mesclam a voz rasgada do new metal, a intensidade do metal veloz e as pitadas do hard rock. Acho uma junção muito boa, porém o que todos estão interessados claro é sacar o novo baterista desta banda que já teve Mike Portnoy (ex- Dream Theather) e Jimmy The Rev (falecido em 2009).

Para sentir a pegada do novo baterista e dar exemplo a este, quem sabe, novo termo musical (metal universitário) ficamos com a musica Such Great Heights da banda Confide.

Chora me liga!

Editors é uma banda de indie rock da Inglaterra. Nossa, até agora nenhuma novidade. Se não fosse a potência de suas músicas e a capacidade delas te empolgarem ao extremo.

Eles captaram a essência do rock da década passada e representam isso muito bem. Dificilmente vão variar seu estilo de som, eles são bem eficazes em fazer o indie rock moderno, que por momentos vão lembrar o U2 no começo da carreira e por horas lembrar os atuais The Killers.

Se você procura mais uma boa banda de indie rock aqui está a dica. Podem baixar todo o álbum The Black Room que não irá se arrepender, afinal todo ele é muito bom! Tem sucessos consagrados como Munich e Blood, porém hoje indico a música Camera.

Um bom som e fiquem em paz.

Cara, cadê o rockabilly? Me perguntei um tempo atrás. E por felicidade, trocando figurinhas com meu amigo Ramon Frias, descobri a banda The Baseballs.

Os rapazes fazem versões das músicas mais pops possíveis, tipo, aquelas que tocam na Jovem Pan, porém na linguagem rockabilly dos anos 50 que remete também o grande Bill Haley.

Conversando com meu amigo, notamos que realmente mudando a apresentação e o jeito em que a música é formulada, as letras de Katy Perry e Rihanna ficam até bonitinhas e nos trazem certa felicidade. Ou seja, esses artistas realmente sabem destruir uma música, ou a fazem pensando na façanha de contaminar seus pobres ouvintes com batidas eletrônicas chulas.

Enfim, The Baseballs é muito louco, não vão se arrepender se escutar isso. Fiquem com a versão de Hot´n´cold.

Hoje soluciono o problema daqueles que sempre sonharam em transar ao som de metal, porém pelo ritmo ser acelerado demais não se sentiam muito a vontade.
O Dera Sol não só apenas indica uma música como um álbum todo! Imagine ouvir vários clássicos do metal em versões harmoniosas e perfeitamente elaboradas para relaxar sua mente e ativar o amor!
É muito bom! A voz de Kalle Karlsson é linda e as composições não deixam a desejar. Entre os clássicos de Hymns in the Key of 666 eu aconselho Paranoid (Black Sabbath), Symphony Of Destruction (Megadeath), We’re not gonna Take it (Twisted Sister) e Run to the Hills (Iron Maiden). 
Compre ou escute as faixas por aqui: http://www.klicktrack.com/klicktrack/releases/hellsongs/hymns-in-the-key-of-666
Bom final de semana e muito amor!  

Hoje soluciono o problema daqueles que sempre sonharam em transar ao som de metal, porém pelo ritmo ser acelerado demais não se sentiam muito a vontade.

O Dera Sol não só apenas indica uma música como um álbum todo! Imagine ouvir vários clássicos do metal em versões harmoniosas e perfeitamente elaboradas para relaxar sua mente e ativar o amor!

É muito bom! A voz de Kalle Karlsson é linda e as composições não deixam a desejar. Entre os clássicos de Hymns in the Key of 666 eu aconselho Paranoid (Black Sabbath), Symphony Of Destruction (Megadeath), We’re not gonna Take it (Twisted Sister) e Run to the Hills (Iron Maiden).

Compre ou escute as faixas por aqui: http://www.klicktrack.com/klicktrack/releases/hellsongs/hymns-in-the-key-of-666

Bom final de semana e muito amor!  

As músicas eletrônicas da década passada foram animadas demais! Isso é fato, até porque um mix de vários estilos sempre foi presente. Tivemos o eletro indie, onde as guitarrinhas faziam um fundo feliz junto com as batidas eletrônicas e claro os sintetizadores. O hiphop com influencias de bossa-nova, de funk e até ritmos caribenhos. Isso tudo é bastante rico!

O som de hoje é viciante, uma canção criada sem muita enrolação. A voz feminina aqui dá o ar da graça e embala o corpo num ritmo frenético que remete ao house da década de 90.

A música Things Are Getting Better tem letra simples, porém seu som é astuto e apresenta tudo que uma balada eletrônica tem que ter hoje em dia: guitarrinha moderna e um som criativo de sintetizador, isso é prato cheio pra uma festa.

Fiquem com Wally Gagel & xandy Barry.

Boa semana!